Martim Moniz

Scherzo

Scherzo

O parque é uma pausa chique. O jardim solfejo dandy. Notas com pêlo pululam Dos colos dos donos para a pauta da luz Larghetto, o senhor Moniz, passeia sostenuto o semi fuso neto “Martim, o menino non tropo!” Ele, presto aqui,  vivo acolá, Põe cor num scherzo a preto e branco.