Mar morto

Sufoco sem o teu mar

o vácuo enche-me o peito

Sem teu rio não há leito

só fúria de naufragar

À minha de frente no cais

Calmos da morte assustados

Vejo só barcos parados

porque não sei onde estás

Quero ouvir-lhes as amarras

E na maré que hoje vaza

Soltar gemidos iguais

Ser a espada que te salva

Transepto da tua casa

Só amor sem vendavais

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.